quinta-feira, 17 de novembro de 2016

A bolonhesa na Bimby

Como contei há pouco, ontem fiz bolonhesa na Bimby.

Recordando-me da reclamação do Gato Rogério acerca das pequenas quantidades de comida que a Bimby faz, dupliquei a quantidade da receita, tendo feito contas para ver se o copo daria para tudo. Pelas minhas contas, dava (chegando praticamente ao limite da capacidade, mas dava).

Comecei a cozinhar pouco antes das crianças chegarem. Quando chegaram, acabei por me distrair e, em vez de juntar o azeite e fazer o refogado, saltei para a parte em que juntava a carne, que por sinal cabia toda, mas saía um bocado pela abertura do centro da tampa...

Juntei o azeite nesta altura, misturei um bocado, juntei um bocado de água (não quis saber das quantidades referidas - só queria que aquilo não começasse a transbordar!) e liguei a Bimby na potência indicada para o refogado (diferente da indicada para a parte em que se junta a carne) e pensei "Não há de ser nada!". Isto para além dos pensamentos reincidentes: "Que parva! Não devia ter comprado tanta carne, podia ter comprado mais, mas não era preciso ser o dobro!" e "Que distraída, que estúpida! Como é que fui saltar a parte de juntar o azeite?!". Ah, e nem juntei sal, nem folha de louro, nem nada! (Aqui não foi esquecimento, foi mesmo decisão consciente - e desesperada!)

Não demorei muito a perceber que aquilo não ia ficar bem. O copo estava tão cheio que provavelmente os alimentos nem rodavam lá dentro, por muito que a lâmina rodasse!

Parei a Bimby, abri o copo, retirei uma boa porção da mistura para um tacho e voltei a ligar o aparelho, programando-o para os minutos do refogado. Quando terminou, misturei tudo com a espátula (fiquei contente com o aspeto) e programei o tempo em que era suposto a carne ser cozinhada (recordo que a coloquei antes de fazer o refogado!). Quando terminou o programa, tirei uma boa quantidade da bolonhesa para uma caixa, juntei ao que ficou no copo o que tinha posto no tacho, pus mais um bocado de azeite e programei a Bimby para o tempo total do refogado + cozinhado, já que da primeira vez tinha resultado, e uma vez que tinha usado a potência indicada para o refogado das duas vezes anteriores, foi essa a potência que escolhi.

Concluindo, o jantar foi do agrado de todos, ninguém se queixou da falta de sal (vou pensar bem se da próxima vez o coloco ou não) nem do "tamanho mais pequenino da bolonhesa" (refiro-me ao picado da carne, que por causa da potência utilizada ficou mais picada do que já vinha do talho)...

Pontos negativos: sou uma cozinheira tão azelha que até a seguir instruções numeradas da Bimby faço asneira; 😞

Pontos positivos: isto da culinária permite mais variações e acidentes do que eu pensava... 😏(estou a recordar-me de um arroz doce que a Matilde fez com muito pouca assistência minha, trocando as voltas todas à receita e que no fim ficou delicioso, lembras-te, Matilde?)

2 comentários:

  1. Tenho uma vaga ideia... isso de ter dificuldade em seguir receitas e um gene que partilhamos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é que só tens uma vaga ideia? Já falámos tantas vezes desse arroz doce! (Que vontadinha de comer arroz doce, agora!)
      Tu podes partilhar a dificuldade em seguir receitas mas tens muito mais criatividade e ousadia do que eu!

      Eliminar

- Posso fazer o meu comentário?
- Claro que sim, mas tendo cuidado com a linguagem.
Obrigada!