quinta-feira, 30 de julho de 2015

Uma dor, um sorriso e uma boa noite

Ontem ao deitar-me começou a doer-me a perna esquerda. Fiz um pouco de massagem, mas não adiantou. Resolvi pôr em prática aquilo que tantas vezes leio em blogues e que tantas vezes me esqueço de viver (já me vou lembrando muito de vez em quando):

Sem posição confortável, sorri e disse interiormente: "Tu queres, Jesus? Então eu também quero!". Abracei a dor com um sorriso... e pouco depois estava a dormir.

Claro que poderia pensar que foi uma noite como as outras, em que adormeci depressa, pois adormecer logo é um dom que tenho, mas não, não foi uma noite como as outras, porque nas outras noites não costumo ter dores e porque de facto aceitei a dor. 

Reparem, não estou a dizer que aguento muito bem as dores, ou que a partir de agora aguento tudo com um sorriso. Não é nada disso. Estou apenas a contar o que se passou ontem. Gostei de adormecer depressa, mas gostei igualmente, ou mais ainda, de aceitar aquela dor que me estava a incomodar.

Sonhos #49

Na noite anterior à noite passada, sonhei que presenciava a reunião dos avaliadores do meu trabalho final da formação. Não eram meigos, não, e avaliavam o trabalho em 4,4. Lembro-me de, no sonho, pensar que era uma nota positiva muito baixa (estava à espera de mais)...

Assim que acordei, lembrei-me do sonho e tive duas reações opostas: 

Reação negativa: 4,4 não é uma positiva baixa, é negativa!

Reação positiva: Foi só um sonho, ufa!

Já tive um choque relativamente à nota - penso que o que for há de ser melhor!

Isto começa a parecer o Facebook...

... daquelas pessoas que contam tudo, tudinho, da sua vida. Porquê? Porque venho dizer-vos que já marquei dentista para mim... :-)

De férias...

... sem relatórios pendentes, sem coisas malvadas começadas por S em atraso...

... Eu no post anterior disse que me sentia de férias, mas a verdade é que hoje é mesmo o meu primeiro dia de férias!

Só que estar oficialmente de férias não quer dizer nada, no meu caso e com o meu feitio não-faças-agora-que-corres-o-risco-de-ter-pronto-a-horas-e-ai-que-chatice-se-isso-acontecer!...

Por outro lado, não sabendo o que vai acontecer relativamente ao recurso, deixei algumas coisas na minha sala de aula em standby. Se ficar, ficam; se não ficar, dou-as, empresto-as ou trago-as para casa. Isto significa que, quando souber o resultado, terei de ir à escola (ou não, talvez deixe as mudanças para o início de setembro, mesmo sabendo o resultado - e se ele for favorável - em agosto).

Já está #2

... revisto, impresso e entregue. Sinto-me de férias! :-)

Quem tem um(a) amigo(a) / leitor(a) atento(a) ...

... tem tudo (ou quase, vá)! ;-)

Começando pelo fim, a informação encontrada:

«Fiar fino» – significa fazer um trabalho bem feito. «Fiar muito (mais) fino», segundo o Dicionário de Expressões Populares Portuguesas, de Guilherme Augusto Simões (ed. Perspecticvas & Realidades, Lisboa): «Diz-se do que exige cuidados especiais ou se reveste de especial atenção; mudar de figura; ser mais exigente (Cândido de Figueiredo).» 
Já o dicionário da Academia das Ciências de Lisboa regista assim «fiar (mais) fino»: 
«Apresentar dificuldades, obstáculos; exigir esforço, cautela e minúcia. "Não basta um homem bater no peito e pertencer à irmandade do Santíssimo para o anjo da guarda lhe guardar as costas. Fia mais fino. Se a troco de duas cruzes na testa, duas rezas, um cristão estivesse a coberto de percalços, escorregar e não partir uma perna, meterem-lhe as mãos nos bolsos e não lhe palmarem a carteira, ter uma mulher de estalo e não lha abarbatar o amigo, quem quer era cristão." [Aquilino Ribeiro Machado, "Malhadinhas"].» 
Quanto a «Piar (mais) fino», não se encontrando registada em nenhum dicionário consultado, é expressão usada correntemente, numa clara "adaptação" da anterior, significando «falar sem levantar a voz, ou seja, não cantar de galo». Em certas circunstâncias, «piar fino» pode corresponder a «baixar a bola».

in https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/fiar-mais-fino-dif-de-piar-mais-fino/12794

Vem esta explicação, abusivamente classificada com a etiqueta "As lições da Mimi" (porque a explicação não é minha, como se vê), a propósito da expressão "pia mais fino" que utilizei ontem no post "Falta-me coragem". Filhote Pato, como leitor atento que é, disse-me que lhe parecia que a expressão correta era "fia mais fino". Conversa puxa conversa, e fiquei de investigar o assunto. Foi o que fiz (de forma pouco exaustiva, diga-se de passagem) e o resultado é este post. Pelos vistos, a expressão que utilizei (e utilizo de vez em quando) é usada correntemente, mas é uma adaptação da outra, ou por outras palavras, é uma prova que a língua é viva e está em permanente evolução...

Parabéns, M _ _ _ _ _ _ _!!!

Hoje faz anos a mãe da dúzia. Saudades, saudades e mais saudades... (a ver se telefono!)

Muitos P A R A B É N S ! ! !

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Já está

feito, mas como acabei agora mesmo (os meus queridos leitores têm oportunidade de saber tudo em primeira mão - basta estar "em cima" do acontecimento, ou melhor, do post!), não vou imprimir. 

Amanhã de manhã, releio, mudo ou corrijo algum pormenor que disso necessite (e que eu dê conta, claro) e imprimo.

Falta-me coragem

... para "tratar" do relatório que falta. 

Parecia-me facílimo de fazer quando ainda tinha de tratar do outro, mas agora que é ele que está em causa... a "coisa pia mais fino" (expressão interessantíssima, que acabei de escrever pela primeira vez!)...

Só me "resta" isto: "Nós, Jesus, ..."

Indignado!

Quem?

O Feitiço.

Porquê?

"Por ser sempre o último [a nascer]!"

Para ver se não se sentia tão infeliz, eu disse-lhe que eu tive de "esperar" que nascessem cinco irmãos até ser a minha vez (Mafalda, Margarida, Mário, Magda e Manuel nasceram antes de mim, só a Matilde veio depois)...

Funcionou! :-)

Em casa dos avós gatos, ... perdão, bruxos!

A Vassoura e a Varinha estiveram na semana passada em casa dos pais do Rogério. Agora, estão novamente em casa dos meus pais! Rica vida...

Em casa dos avós bruxos têm a vantagem de terem primas (às vezes, primos, que aquilo mais parece uma pousada...) para brincar, e a praia perto. 

Foi ontem à noite, depois do jantar, que as levámos. Ao chegarmos, a minha mãe estava a servir o jantar a algumas netas e a alguns sobrinhos-netos. Com as nossas duas, ficaram sete meninas e dois rapazes. Mas nem todos dormiram lá (só as netas, seis, dormiram).

Hoje, as três primas que são filhas da Margarida, vão com os pais até Fátima e devem regressar no sábado. A Vassoura e a Varinha ficarão com a prima que é filha da Matilde (a que dormiu cá em casa). Quando souberam que as primas iam para Fátima ficaram muito tristes e a refilar comigo, como se eu tivesse tido alguma influência na decisão... Mas vai ser bom para elas estreitarem laços com a prima que (ainda) veem menos vezes por ano! E para ela será bom continuar a desenvolver o português...

Parabéns!

O Avô Gato fez anos ontem. Falhou o registo, aqui no blogue, mas mais vale tarde do que nunca...

P A R A B É N S ! ! ! M I A A A A U ! ! ! 

segunda-feira, 27 de julho de 2015

A propósito das margaridas

que se comem, eu ri-me e disse:

- Esta tem de ir para o blogue. A ver se não me esqueço!
Vassoura: Eu lembro-te, mamã!
Varinha: Por que é que tudo o que eu digo vai para o blogue? Por que é que a maior parte das coisas que estão no blogue fui eu que disse?
Eu: No blogue não estão só coisas que são ditas, também estão coisas que vocês fazem, como pinturas, construções de Lego,...
Varinha: E sou eu que tenho mais coisas no blogue?
Eu: Não, é o Feitiço. Não se esqueçam que quando comecei o blogue eu não estava a trabalhar e tinha o Feitiço o dia todo em casa, comigo! Além disso, é ele que se atrapalha mais a falar... é normal que tenha mais posts a contar coisas sobre ele...

Gelados VS. Margaridas

Quando acabei o relatório, saí com a Varinha e a Vassoura. Fomos pela primeira vez a uma gelataria que abriu há pouco tempo perto de nossa casa.

Conversa que tivemos no caminho:

Eu: Não é dos melhores dias para comer um gelado. Está um bocado frio!
Vassoura: Mas, mamã, os gelados comem-se em qualquer altura do ano!
Eu: Não precisas de me dizer isso, que eu sei.
Vassoura: Mas realmente os gelados sabem melhor no verão, porque temos calor.
Varinha: As margaridas são ao contrário, sabem melhor no inverno.
Eu: As margaridas?
Varinha: Sim, as margaridas.
Vassoura: Não sabes o que são, mamã? São aqueles queques...
Eu: Ah! Queres dizer as madalenas...
Vassoura: Pois, parecia-me que o nome não estava bem...
Varinha: Eu misturo os nomes!

E vocês? Preferem gelados ou madalenas?

Eu prefiro gelados, de longe, mas como me ficou a doer um dente* depois do gelado de hoje, prefiro que os gelados fiquem... longe (da minha boca)!

*É um dente que de dente já pouco tem. Vou marcar dentista. Já era minha intenção marcar, agora tenho duas boas razões: a dor neste dente e o chumbo que me caiu de outro dente (reparei por acaso quando estava a investigar o dente dorido)!

Tinha de escrever* esta "saída" antes que me esquecesse...

... apesar de ter um relatório para acabar e entregar hoje (e outro para entregar até sexta-feira, mas esse não é para aqui chamado, por enquanto).

Ao pequeno-almoço, a Varinha e o Feitiço começaram a discutir sobre quem é que irritava mais quem.

Feitiço: Estás a ver, tu estás-me a irritar!
Varinha: Tu é que me irritas!
Eu: Varinha, o Feitiço só te irrita porque tu deixas.
Varinha: Ele irrita-me, ele às vezes chama-me "cocó"!
Eu: E então? Ele às vezes também me chama "cocó". Sabes o que é que eu lhe digo? "Ah, sou a mamã-cocó, é?" E ele responde: "Não és mamã, és só cocó." E eu respondo: "Não sabia que falavas com o cocó!" E ele fica sem resposta...
Varinha: Ele irrita-me e eu não me consigo controlar...
Eu: Estás a ver? Está nas tuas mãos!
Varinha: Sim, está nas minhas mãos, mas se eu lhe bater, tu é que ficas irritada comigo e bates-me a mim!

*Ora, se tinha de escrever, mais valia publicar!

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Parabéns, Inês!

A mais velha destes lindos, queridos, e doces elementos da dúzia faz hoje - não acredito! - 22 anos!

P A R A B É N S ! ! !

Anne of Green Gables

Depois de ver num blogue referência à minha querida Anne, resolvi comprar a coleção. Fui ao site que a Raquel recomendou e fiz a encomenda (cujo link está a seguir), mas 40 cêntimos mais barata, ou seja, ficou-me a 39,62€. :-)

http://www.bookdepository.com/Complete-Anne-Green-Gables-Montgomery/9780553609417

Anteontem chegaram! Li umas páginas do primeiro livro, mas tive de interromper a leitura. Só a poderei recomeçar durante as férias. Controla-te, Mimi!

Feitiço, "encantador" de escovas

A dentista conseguiu a colaboração do Feitiço pedindo-lhe "ajuda". Uma das ajudas era dar a ordem à escova elétrica para rodar.

Dentista: Ajudas-me a fazer a escova rodar?
Feitiço: Sim!
Dentista: Tens de dizer "Roda"... mas tens de dizer com convicção!
Feitiço [a medo, que a palavra era difícil]: Convição.

Eu, Rogério, dentista: [Risos.]

Dentista: O que tu tens de dizer é "Roda", OK?

E assim, sempre que necessário, a médica dizia: "Diz.", o Feitiço dizia: "Roda.", a escova rodava e a limpeza ia sendo feita! :-)

Pedido de desculpas público (continuação do post sobre a ida ao dentista)

Sem saber, pensando que era verdade, pelo que vi com os meus olhos e ouvi a pediatra dizer, andei a difamar a Varinha.

A Varinha não tem QUATRO CÁRIES. A Varinha NÃO TEM NENHUMA cárie!

Pois é, aquilo que toda a gente que viu pensava serem cáries - inclusive a pediatra, que disse: "Há muito tempo não via uma cárie deste tamanho numa criança desta idade!", não são cáries. São uma malformação, ou outra palavra do género, do esmalte dos dentes, que é muito esponjoso, deixando passar tudo. São dentes que, por isso, são mais suscetíveis de apresentarem sensibilidade (a Varinha já "acusou" um bocadinho) e de ficarem com cáries, realmente, mas, até ao momento, nada do que ela apresenta nos dentes é cárie.

Exma. filha Varinha Bruxa Gata (nome completo), aqui fica o meu pedido de desculpas público. Andei a acusar-te de lavares tão mal os dentes que tinhas quatro cáries, espalhei isso pela blogosfera, e noutros circuitos comunicativos e, afinal, não é nada disso... Desculpa.

Voltando à consulta, a dentista teve de anestesiar a Varinha para lhe tirar os dois incisivos de baixo, para arranjar espaço para o definitivo que já está meio de fora. Depois guardou os dentes num baú verde e entregou-mo.

A parte melhor da ida ao dentista, para a Varinha, foi o facto de ter comido um gelado logo a seguir, por causa da anestesia/dor/impressão.

A melhor parte, para mim, foi o comportamento exemplar da Vassoura, o comportamento quase exemplar do Feitiço e o comportamento (pós-choro inicial) da Varinha. (resposta politicamente maternalmente correta)

A melhor parte, para mim, foi a caixa de gelado de menta* e a caixa de cornetos de chocolate que aproveitei para comprar quando comprei o gelado para a Varinha. (resposta honesta**)

*Só provei um bocadinho há bocado*** e não é, nem de longe, nem de perto, tão bom como o gelado de menta da Carte d'Or - apesar de ter comprado da Olá, e a Carte d'Or pertencer - acho - à Olá.

**Honesta, mas porque eles realmente se portaram bem. Se se tivessem portado todos mal, eu aceitaria não comer gelados durante algum tempo (olhem que para mim é difícil muito difícil não comer gelado nesta altura do ano!) em troca do bom comportamento!

***Foi mesmo só um bocadinho, uma colherzinha que tirei do prato do Rogério para provar, porque estou a tentar só "atacar" o gelado depois de concluir o relatório da formação que fiz ao longo do ano e que já se arrasta há alguns meses... 

quarta-feira, 22 de julho de 2015

A ida ao dentista

Ontem foi a primeira ida ao dentista da Vassoura, da Varinha e do Feitiço. 

A primeira foi a Vassoura. Portou-se lindamente, está tudo bem com os dentes e sua higiene. 

A seguir foi o Feitiço. Estava com um bocadinho de medo, mas em menos de um minuto colaborava com tudo o que a médica lhe dizia. Está tudo bem com os dentes e sua higiene.

Por fim, chegou a vez da Varinha. Chorou, fugiu (não para longe, mas saiu do consultório), ... um drama. A médica soube lidar bem com ela. Foi a consulta mais demorada, atendendo às situações dentárias que apresentava. O "resultado" da consulta merece destaque em post próprio (que não dá para escrever agora).

terça-feira, 21 de julho de 2015

Feitiço, o "matchmaker"

[Nota prévia: gostava de me recordar com pormenor das expressões usadas pelo Feitiço neste diálogo, mas não consigo.]

Feitiço: Os tios também são pais.
Eu: Alguns tios também são pais, mas nem todos os tios são pais.
Feitiço: Pois, o tio Gato é tio e não é pai.
Eu: Pois, e não é só ele.
Feitiço: O tio Gato não é pai porque ainda não casou, não é?
Eu: Sim.
Feitiço: E não casou porque ainda não arranjou uma mulher que ele gosta, não é?
Eu: Sim.
Feitiço: Eu sei quem é que podia ser.
Eu: Ah, sim? Quem?
Feitiço: A Filhote Pato.

O Feitiço "mata-me"!

Feitiço: Mamã, o teu rabo é muito grande!

*******

Feitiço: Mamã, tu tens barba!
Eu: Não tenho, não.
Feitiço: Tens, tens! Eu estou a ver! Eu não tenho porque sou pequenino.

Eu (em pensamento): Deve estar a referir-se ao "bigode"... se calhar é boa ideia* investigar a depilação nessa zona...

*Já pensei nisso várias vezes desde que uma antiga aluna, aos dez anos, para se defender do gozo dos colegas que diziam que ela tinha bigode, disse, estando eu presente: "E então? A professora também tem!" Depois virou-se para mim e disse, com um ar um bocado comprometido, qualquer coisa como: "Não é? A professora também tem pelos por cima dos lábios...". Já nem sei o que respondi...

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Parabéns, H!

Hoje a minha querida cunhada H. faz anos. Não interessa quantos, pois não?

P A R A B É N S ! ! !

Eis, então, ...

... a explicação para a resmunguice do Feitiço ao chegar à festa, ontem.

Costumamos ouvir rádio durante as viagens de carro. Ontem também ouvimos, mas, a certa altura, começámos a captar mal o sinal (a antena não estava posta) e o rádio desligou-se. O Rogério pôs o CD a tocar. O CD dentro do leitor é quase sempre o mesmo, dos ABBA. A reação do Feitiço foi imediata, desatando a berrar que não queria, não gostava, para pararmos a música. Babou-se, quase vomitou, fez uma figurinha que só vista... enquanto, claro, o CD continuava a tocar.*

Quando estacionámos e a música parou, o Feitiço parou de chorar, limpou a baba, pediu desculpa pela birra, e acalmou, tudo fora do carro e antes de entrar no local da festa. Já lá dentro, agarrou-se a mim e disse que não queria ficar na festa. Isto durou o tempo que ele demorou a perceber que ir para o insuflável ou para os baloiços era muito melhor do que estar colado a mim, ou seja, uns cinco minutos.

*Em casa, nas (poucas) vezes em que pomos Karaoke, o Feitiço quer cantar (aldrabando, claro!) as músicas dos ABBA, mas no carro só quer ouvir rádio, mais concretamente a RFM!

Conclusão e aviso à navegação: quem quiser ver o Feitiço numa das suas "melhores" facetas, ponha-o num carro a ouvir ABBA!

Um fim de semana em cheio!

Não, não fomos para aqueles sítios espetaculares em que há muita relvinha e piscina e atividades para as crianças com pessoas de confiança e em que nós, pais, ficamos a descansar... Este modesto blogue não merece tais ofertas e esta bruxa não tem quem lhas ofereça (sim, poderei ser eu a tratar disso, mas, não conduzindo, estou sempre um bocado limitada à concordância do Gato). Adiante.

No sábado, tivemos a visita da Matilde e companhia.  Depois do lanche fomos ao parque que há ao pé de nossa casa. Como os nossos três e a prima não se queriam separar, e atendendo a que passam a maior parte do ano separados por muitos quilómetros, ela acabou por passar a noite em nossa casa. Uma alegria! A Vassoura leu um livro em voz alta, pronunciando muito bem as palavras, e de vez em quando perguntava à prima: "Percebeste?". Isto porque a prima não domina o português (mas aos poucos há de dominar - e estar com quem só fala português, sem poder recorrer a traduções, é uma boa estratégia).

Às 21 horas estavam na cama, e pouco depois já dormiam.

No domingo de manhã, conseguimos estar prontos a tempo da Missa das dez horas. A filha da Matilde foi connosco, obviamente, pois não a podíamos deixar sozinha aos seis anos. Foi talvez a que esteve mais sossegada, dos quatro. Pode não ter percebido nada, mas não perturbou ninguém. Já o mesmo não posso dizer do Feitiço, que me perturbou a mim (pelo menos).

Depois do almoço, levámos a filha da Matilde a casa da tia Mafalda (que fica no prédio ao lado da casa dos Avós Bruxos e da casa portuguesa da própria Matilde) e seguimos para a festa da amiga da Vassoura (para a qual foram/fomos convidados os três/cinco).

Quando lá chegámos, a Varinha dizia-me: "Vais ficar na festa, não vais?" e o Feitiço dizia: "Não quero ficar na festa!"*, mas em poucos minutos ficaram ambos lindamente, e nós (Mimi e Rogério) saímos. Não fomos para longe...

Por preferência do Rogério, ficámos no carro a ver um filme no computador. Eu, que sou muito versátil (cof, cof) vi o filme e li umas páginas do número 3 da coleção "Uma Aventura", que ando a reler com gosto (surpreendentemente - ou não tanto assim, atendendo a que em adulta continuei a gostar de livros infanto-juvenis). O filme era o Avatar. Se fosse uma comédia romântica, dificilmente teria lido alguma coisa, mas não estou a querer dizer que não gostei do filme. Gostei. Só não pertence ao meu tipo de filmes preferido...

*A explicação para isto dá direito a outro post...

sábado, 18 de julho de 2015

Este é, provavelmente, ...

... o último post do dia. 

Tenho de desalojar o computador da mesa da sala, para ter lugar para toda a gente* à mesa (além de que a sala fica mais bonita sem o "estendal" que eu para aqui faço)!

*De longe, além da minha irmã, vêm mais três, embora um deles não ocupe nenhuma cadeira à mesa. :-)

À dúzia é mais barato #2

Os Avós Bruxos vão ter mais um neto ou neta, chegando à dúzia! :-)

Eu vou ter mais ...

...

...

...

... um sobrinho ou sobrinha!

...

...

(Quem pensou que eu estava grávida "acuse-se")

P.S. - O título deste post vem daqui...

A minha mana mais nova,

que vive longe, vem visitar-nos hoje. Viva!

Um dia destes faço um post sobre as minhas manas, mas hoje aproveito e falo sobre os nomes que aqui lhes vou dar. Utilizarei os nomes das irmãs da Mimi dos livros (Mafalda, Magda e Matilde) e terei de acrescentar um outro nome, provavelmente começado por M, para não destoar: Margarida, Maria, Mariana, Mafarrica (este é inventado!), Manuela, Mónica... Ena, tantos à escolha!*

Como tenho dois irmãos, também escreverei sobre eles. Os nomes, claro, também começarão por M: Miguel, Manuel, Mário, ... Não me ocorre mais nenhum nome, por isso ainda bem que são só dois! ;-)

*Vou distribuir os nomes conforme me parecer que "encaixam" melhor nas pessoas. E vai ser já!

Assim, por ordem, são estes os filhos da Avó e do Avô Bruxos:

Mafalda (inspirei-me na Mafalda, a contestatária, do Quino)
Margarida (inspirei-me na flor simples e despretensiosa)
Mário (inspirei-me no jogo do Super Mário, que nunca está quieto)
Magda (inspirei-me na elegante Mag(d)a P., inimiga do tio Patinhas)
Manuel (inspirei-me no facto de ser um nome pacífico)
Mimi (inspirei-me na Bruxa Mimi dos livros, como estão fartos de saber!)
Matilde (inspirei-me na Matilde dos livros infantis, já que é a mais nova dos sete)

Ia escrever os anos de nascimento, mas depois pensei que não gostariam de os ver escarrapachados aqui. Como eu não escondo a minha idade, não há muito para esconder em relação à idade deles, mas pronto, faz de conta que ninguém sabe e ninguém adivinha...

Feitiço, o hipnotizador

Para mim: Vou-te imo[ó]tizar...

sexta-feira, 17 de julho de 2015

"Se for!"

Lembram-se de vos falar da bomba e do recurso hierárquico?

Na segunda-feira falei com uma senhora dos serviços sobre o recurso. Perguntei-lhe:

- Acha que a resposta será só em agosto?

Respondeu-me o que está no título do post...

"Tu queres, Jesus? Então eu também quero vou tentar querer."

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Para acender velas...

... podemos usar fóscos!*
Resultado de imagem para fósforo

*Versão da Varinha, não do Feitiço (como se calhar alguns caros leitores pensaram).

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Sonhos #48

Sonhei, há umas noites, que tinha ido à escola onde trabalhei em 1998/1999. Nesse ano, a minha turma era de 1º e 4º anos. 

No sonho, apareceram alunos que já não estudavam na escola (os que eram do 4º ano quando fui sua professora), mas também alguns alunos que foram meus alunos no 1º ano, agora no 4º ano. E eu estava confusa, porque a realidade se metia nos pensamentos, fazendo-me raciocinar: "Já passaram muito mais do que três anos, eles não podem ser alunos do 4º ano, já são adultos!"

Entre os alunos, reconheci a Ana, a Inês, o André... mas quem fez uma festa enorme por me rever foi o Raul (uma das pestes do 4º ano)!

O sonho teve outros pormenores que já não recordo (como é costume).

terça-feira, 14 de julho de 2015

A Varinha animou a festa do tio Gato

Estou muito cansada, mas vou escrever este post antes que me esqueça de tudo o que a Varinha disse no jantar de aniversário do tio Gato, em casa dele - de parte do muito que ela disse, sei que já me esqueci.

O Rogério estava a tirar uma fotografia ao irmão e aos pais, sentados à mesa. O tio Gato estava a olhar para a câmara, a sorrir.

Varinha: O tio está muito direito! Não precisa de estar tão direito, não é um príncipe!

Depois fartou-se de inventar histórias malucas. Uma delas, repetida várias vezes, embora com algumas variantes, dizia respeito à história de como os pais se conheceram e de como (na versão da Varinha) o meu pai mudou de terra para estar com a sua amada (e dizia isto com um tom teatral que só ouvido e visto!)...

Lançou os foguetes e mais/ou não sei o quê, que estou cansada e não me lembro da expressão.

Parabéns, tio Gato!

Hoje, o tio Gato, que é também o padrinho da Vassoura, faz anos. 


P A R A B É N S !!!

O meu avô materno também nasceu a 14 de julho, e se estivesse vivo, faria 90 e muitos anos (arrisco 98 e aguardo confirmação ou correção de quem sabe*). Só me lembro deste avô de ver em fotografias, pois tinha três anos quando ele morreu.

O filho da Nina faz hoje sete anos. Por isso ela veio ontem, em vez de hoje.

Uma colega de curso, com quem vivi um mês, também faz anos hoje.


Ao A. e à D., parabéns!!!

*A minha mãe confirmou. Viva a minha memória!

segunda-feira, 13 de julho de 2015

domingo, 12 de julho de 2015

E depois temos que as aturar "viradas do avesso"!

Ontem, na festa do pijama, a Vassoura e a Varinha não se deitaram tarde. Aliás, não se deitaram... ontem. A Varinha deve ter adormecido depois da meia-noite e a Vassoura depois das duas e meia...

Acordaram mais tarde do que o habitual? Claro que sim, óbvio! Não, acordaram às sete e tal...

Eu sei que as miúdas estavam excitadas, mas parece-me que foram dormir a uma hora exageradamente tardia... a não ser que a mãe presente tivesse adormecido antes delas e não tivesse como impedir a galhofa até altas horas (não seria impossível, se fosse eu a mãe em questão!)...

Corrida de carros

Desenho + verso:
"É uma corrida de carros." - Feitiço.
Declaração de amor filial - Feitiço.

Mais transportes by Feitiço

Publico agora, mas são obras mais antigas do que o comboio que apresentei no outro dia (aqui).

"É um trator."
"É um comboio. É uma locomotiva, não é uma carruagem."
(Tive de apagar o nome do Feitiço, escrito por ele.)
Parte escrita do desenho anterior.

sábado, 11 de julho de 2015

Afinal...

... a Varinha também foi à festa do pijama. Recebi hoje um e-mail a incluí-la no convite. Reação: chorou de alegria! É que a irmã da aniversariante é a sua melhor amiga...

quinta-feira, 9 de julho de 2015

A meio da noite

Acordei com o chamamento do Feitiço:

- Mamã, podes vir cá, por favor?

Levantei-me e fui ao quarto dele.

Eu: O que foi, Feitiço?
Feitiço: Não consigo pensar em coisas boas.
Eu: Eu vou à casa de banho fazer xixi e já te venho ajudar.

Fui à casa de banho. Não sei quanto tempo demorei, mas, com o sono, não devo ter sido particularmente rápida.

Voltei ao quarto do Feitiço. Já dormia, com uma respiração lenta e profunda.

Não sabia se havia de ficar triste/chateada por ter acordado, no fundo, "para nada", se havia de ficar contente/aliviada por poder voltar logo para a cama!

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Programa para o fim de semana

Vassoura e Varinha vão a uma festa na sexta-feira à noite.
Feitiço vai a uma festa no sábado à tarde.
Vassoura vai a uma festa que começa à hora a que acaba a do Feitiço, e que é festa do pijama, ou seja, fica lá a dormir e só vem embora antes do almoço.

Eu também ia a festas de anos, mas ou tinha menos colegas, ou os convites eram muito mais reduzidos* (só era costume convidar o/as amigo/as mais próximos/as). Quando andava na Primária (atual 1º Ciclo do Ensino Básico), nunca fui a uma festa de anos de um rapaz que não fosse da minha família. Devo ter ido às festas de não mais do que 5 ou 6 raparigas da minha escola/turma.

*Sei perfeitamente qual destas hipóteses é verdadeira...

Feitiço, cão nas horas vagas

O Feitiço mordeu-me num dedo. Não ferrou os dentes diretamente (foi quando estava a secá-lo, depois do banho, e tinha a toalha à volta da mão), mas deixou marca (que entretanto já se foi, assim como a dor, que passou depressa). Razão? Nenhuma (para além de "nenhuma razão, que não defesa, poderia ser aceitável numa situação destas", não houve mesmo nenhuma razão, nenhuma birra, ou excitação fora do normal, nenhum acontecimento, por mínimo que fosse, que tivesse desencadeado a mordidela).

Por estas e por outras, é que, quando reparei que tinha duas nódoas negras no braço (sem fazer ideia de como as arranjei) e as mostrei ao Feitiço, ele perguntou:

- Fui eu?

terça-feira, 7 de julho de 2015

Cuidados especiais de lavagem

O Feitiço pôs-se a observar a etiqueta (dos cuidados de lavagem, etc.) do seu pijama novo. Perguntou-me o que queriam dizer alguns dos símbolos. Respondi o melhor que soube (para quem, como eu, não é especialista, deixo uma ajudinha).

Alvejar = branquear

Depois, o Feitiço apresentou a sua versão acerca deste símbolo:


pirubido (proibido) lavar bolas muito sujas."

Ao telefone

Estou na escola quando o telemóvel toca. São 18:20 horas. No monitor vejo que é o Rogério.

Eu: 'Tou?
Rogério: Olá, tudo bem?
Eu (pensando nos miúdos, que costumam chegar da escola por volta das 18 horas): Depende. Onde é que estás?
Rogério: Em casa.
Eu: Então está tudo bem!
Rogério: Eles já chegaram. Mas se é para eu ir com elas comprar sandálias*, é melhor estares em casa.
Eu: Daqui a uns cinco minutos saio, ok?
Rogério: Está bem, pode ser.

*Há pouco mais de um mês, comprámos sandálias novas para a Vassoura e a Varinha, mas já estão com um aspeto miserável (e só não estão pior porque o Rogério já as coseu em vários sítios)!

Dá vontade de dizer a marca, para alertar para a má qualidade do produto ... mas não vou fazê-lo.

- Mamã, podemos fazer aguarelas?

- Podem.

E fizeram.

Pintura 1.
Pintura 2.
Pintura 3.
Adivinha:

- Quem pintou o quê?

segunda-feira, 6 de julho de 2015

A minha mãe é a Cinderela

No sábado, em casa dos meus pais, a minha mãe disse, referindo-se ao saco com as roupas da Vassoura e da Varinha:

- A roupa que está no saco já está toda lavada e engomada, até os pijamas.
Eu: Os pijamas com que elas dormiram esta noite?
Avó Bruxa (visivelmente orgulhosa): Sim.
Eu: Mas nós não engomamos os pijamas!
Varinha: Mas é que a avó é perfeita, é como a Cinderela!

:-)

1111º post

Calhou reparar - tinha de destacar! :-)

"Não como nada que seja dado por estranhos"

A Vassoura e a Varinha, como contei, estiveram em casa dos meus pais. Numa noite, foram com eles e com uma tia a uma iniciativa chamada "Cientistas ao luar". À entrada, deram os nomes, as idades e responderam a uma ou outra pergunta. A senhora, que tinha um fantoche na mão, perguntou à Varinha:

- Queres um rebuçado?
Varinha, muito séria: Não.
Senhora: Porquê, não gostas?
Varinha: Gosto.
Senhora: Então, queres?
Varinha: Não.
Senhora: Porquê?
Varinha: Não como nada que seja dado por estranhos.
Senhora: Ah, está bem, estás muito bem industriada!
Senhora, para a Vassoura: Queres um rebuçado?
Vassoura: Sim.
Senhora: Queres o da tua irmã?
Vassoura: Sim.

Ao que parece, o meu pai explicou à Varinha que naquela situação, com os adultos da família presentes e atentos, a verem o que se passava, poderia ter comido o rebuçado.

Na versão inicial contada pelos meus pais, a Vassoura comeu os dois rebuçados e a Varinha, depois de algumas atividades, não teve problemas em comer bolo de cenoura que lá havia. Mas essa versão estava enganada. A Vassoura deu à Varinha o rebuçado que "lhe pertencia" e ela comeu-o.

Confiança nos amigos

Na consulta do pós-operatório, perguntei à médica se o Feitiço podia ir à praia. A resposta:

- Sssim, mas... o pior são os outros miúdos [isto dito de forma muito discreta]...
Eu: Ó Feitiço, se algum menino gozar contigo...
Rogério, interrompendo: Não estejas a falar nisso!
Eu, para o Rogério: Se acontecer, prefiro que ele esteja preparado. 
Eu, para o Feitiço: Se algum menino for mau e disser que tu tens os olhos tortos...
Feitiço: Eles não vão dizer. Eles são meus amigos.
Eu: ...
Médica: Olha, Feitiço, se algum menino disser alguma coisa, tu respondes que os teus olhos estão tortos agora para depois ficarem no sítio, está bem?
Feitiço, descontraidamente: Eles não vão dizer!

********

Até agora, ninguém disse nada*. Confiança nos amigos justificada!

********

*Ao Feitiço. A mim já me disseram que "faz muita impressão". E eu concordo que não é fácil...

domingo, 5 de julho de 2015

"A barata diz que tem" - É uma falsa, é o que é!


Como se pode ver por esta canção, inspirada em factos verídicos, as baratas são bichos mentirosos. O que eu não sabia era que também eram atrizes...

Sem entrar em grandes detalhes*, conto-vos um episódio que se passou na minha escola durante a última semana.

Ao pegar numa caixa (que na véspera estava vazia), na sala de uma colega, vejo uma coisa escura a passar de um lado para o outro. Veio-me logo à cabeça "poderá ser uma barata?". 

Inspecionei.

Ao confirmar que era uma barata, tive uma reação muitíssimo digna: dei um grito estridente e larguei a caixa. De fora da sala, uma assistente operacional (aka "auxiliar") imediatamente perguntou: "É uma barata?". [Dá para perceber que raramente aparecem baratas na escola...]

Com a queda, a barata assustou-se, coitadinha (not) e saiu da caixa tombada, mesmo em direção aos meus pés, que imediatamente desviei. O bicho (que é para não repetir o nome) passou e foi esconder-se atrás de um mini-frigorífico.

De fora da sala, a assistente operacional veio em socorro da histérica professora (as outras professoras presentes não estavam histéricas, mas uma delas dizia: "É muito grande, sim [a barata]."). Trazia uma vassoura e foi até ao sítio onde estava a fugitiva. Nessa altura, disse:

- Deixe estar professora, já a matou.
Eu: Matei?! Não matei não, que eu nem lhe toquei!
Assistente: Então mas ela está aqui com as patinhas para cima!
Eu: É porque está a fazer teatro. Ela está viva, garanto-lhe!

A assistente deu umas vassouradas na barata, "assassinando-a". Vitória, vitória, acabou-se a história.

*Ao que parece, não entrar em detalhes não é a minha especialidade...

É só um desenho do Feitiço

... mas eu gosto muito dele.
A legenda completa, segundo o autor, encontra-se
 em baixo.É mais uma história do que uma legenda...
"Tem uma princesa jeitosa do reino da família das princesas. E ela foi para o bosque e encontrou uma linda casinha dos anões. Encontrou um animal pobre e agarrou. E viu uma trela e agarrou também. Ela disse assim:

- Qual é este reino? É estranho, não conheço, parece dos anões.

Depois ela disse assim:

- Esta casa é muito linda, uma árvore e o céu e o sol, tão lindo!

A árvore é uma macieira."

sábado, 4 de julho de 2015

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Let's party!

- dizem os amigos da Vassoura. Convites para festa na noite de 10, para festa-pijama de 11 para 12, para festa na tarde de 12 e para festa na tarde de 19. A Varinha está incluída em algumas dessas festas, mas tenho vontade de responder: "Ou ficam umas horas com os três, ou não ficam com ninguém!"

:-)

Todos os dias...

... vou à minha área pessoal no site do Ministério da Educação ver se já tenho resposta ao recurso hierárquico. É que a comunicação será através dela, não há cá telefonemas nem e-mails com o veredicto. 

Smooth Fm - Boa companhia

Ontem concluí mais uns pendentes, na escola. Nesta etapa final (já há dias que andava com isto), pus esta rádio a acompanhar, online:

http://smoothfm.iol.pt/


Ia trabalhando, sentada, e abanando o corpo ao ritmo da música. Muito boa companhia!

(Pensava que era uma estação de rádio antiga, e que eu é que não a conhecia, mas afinal só tem quatro anos, ainda é novinha!)

Post dedicado à Olívia e ao Álvaro

Depois de ler o post da Olívia desta manhã, foi esta canção que me veio à cabeça. É para vocês, com carinho e votos de muitos e muitos anos "going strong"!

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Amnésia momentânea

Ora eu tinha alguma coisa para escrever, pois... mas o que era?

Alguém tem palpites?

Parabéns, João Pedro!

Era uma vez um menino muito querido e muito malandro, que dava água pelas barbas a quem dele tomava conta (entre outras pessoas, eu, várias vezes). Esse menino cresceu, cresceu, cresceu (não estamos a falar de altura, que nesse aspeto cresceu, mas não cresceu assim tanto)... e, como diria o meu pai, fez-se um "homenzinho".

É a esse "homenzinho", que hoje completa 23 verões (e restantes estações, claro), que dou hoje os 
P A R A B É N S !!!

Ou labirinto, ou palácio enorme

Refiro-me à nossa casa. Deve ser uma coisa ou outra - só assim se explica que o Feitiço demore tanto tempo a chegar à casa de banho, para lavar os dentes, depois de comer, na sala.

(Deve ser labirinto. Se fosse palácio, haveria muito mais casas de banho e uma delas certamente seria ao lado da sala de refeições.)

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Podia ser assim todas as noites

Bem, ainda não é propriamente noite, pela luz que há, mas pelas horas e rotinas cá de casa, já é noite, e o Feitiço está na cama.

Só jantou sopa (não tinha fome para mais), lavou os dentes, fez xixi, rezou muito bem, jogou comigo com os cubos de histórias e foi para a cama. Conversámos um bocadinho, dei-lhe a benção (o Rogério já tinha dado) e saí do quarto dele, com ele a dizer, em tom provocador:

- Já me destapei! Já me destapei!

Ignorei a provocação, por várias razões: 

a) porque é o melhor procedimento para levar qualquer provocador a parar; 

b) porque está calor e se ele dormir destapado não cai o Carmo, nem a Trindade;

c) porque se eu quiser que ele durma tapado, só tenho de ir tapá-lo daqui a pouco, quando ele estiver a dormir.

Repito: podia ser assim todas as noites...

Este deve ser o post mais pensado da história da blogosfera

 ... da história deste blogue é de certeza. E porquê?

(Ia fazer-vos penar, mas mudei de ideias. Vocês são tão poucos que não vale a pena.)

Porque é um post pensado todos os dias, durante o duche. Como não posso escrever durante o duche, tenho-me esquecido sistematicamente de o escrever depois. Nem sei como foi que hoje me lembrei (não, não estou no duche, seus malucos, então eu não disse que durante o duche não podia escrever?!?)!

Graças à Escondida, que, ao que parece, padece do mesmo tipo de pele corporal que eu - seca, branca (não no sentido de não bronzeada, mas no sentido de tão seca que fica branca e a soltar-se, tipo escamas), descobri aquilo que não procurei, mas felizmente veio ao meu encontro:

Nivea ... (ups! só sei que é Nivea - tenho de ir lá dentro ver e fotografar o coiso!)

Na Internet, encontrei esta imagem do produto:
A cor, o brilho... uma pessoa
vê logo que o produto é bom!
A fotografia que tirei ao meu ficou assim:


A escuridão, a embalagem
cheia de marcas de pingos de
água... não deve ser grande coisa!
Leram as legendas? Foi isso que pensaram?

Ai, sim? Pois estão muito enganados! O meu exemplar é melhor do que o outro, porque o meu (e só o meu! - não encontrei nenhuma imagem na Internet que dissesse o mesmo) dá "24h+ HIDRATAÇÃO". Ah, pois é!

Brincadeiras à parte, este produto, para mim, é mesmo bom. Aplica-se no fim do duche, muito rapidamente, passa-se o corpo novamente por água... já está! Só tem um problemazito: acaba-se depressa demais...

Obrigada, Escondida!